Make your own free website on Tripod.com
Carta ao Prefeito
Associação de Amigos do Casarão

Home | O que é o Casarão | Apelo à Sociedade | Dossiê dos Excluídos | Famílias do Casarão | Oficinas e Associação | Carta ao Prefeito | Ajuda aos Jovens | Direito à Alimentação | Queremos Dignidade | Repes e Poesia | Programação | Notícias | Como Associar-se | Pontes com Entidades | Contate-nos

CARTA AO SENHOR PREFEITO TARSO GENRO

Míriam Aliz Bassetti do Amaral - família nº 2 e
Janete Sanchez da Rosa - família nº 5 - 04/01/2002

Nós moradores do Casarão da CEEE, situado em frente à Câmara dos Vereadores, através dessa queremos lhe comunicar nossas dificuldades no dia a dia e queremos saber como poderiam nos ajudar, pois já procuramos vários órgãos públicos, dos quais só obtivemos promessas que jamais foram cumpridas. Somos 9 famílias cadastradas em 3 órgãos públicos (Polícia Civil, Brigada Militar e DEMHAB).

Assim, nós pedimos que os órgãos públicos se sensibilizem com os nossos problemas e que haja um consenso entre a sociedade e nós, os excluídos. Pois nossas necessidades são muitas e as oportunidades são poucas. Temos em vista a necessidade de uma assistência social para poder ajudar a encaminhar nossas prioridades em várias áreas. Porque já estivemos envolvidos em várias reportagens, sendo que para discriminar sempre houve alguém, mas para ver as dificuldades, poucos souberam e raros ajudaram.

Há moradores de várias idades e escolaridades, pessoas até com profissão. Todo morador sabe fazer algo ou até mesmo tem desejo de aprender, mas as dificuldades que aparecem impedem de se tentar fazer algo, seja por obra de órgão público ou por interesse de alguém: financiar algum projeto para profissionalizar os adultos e manter nossos adolescentes e crianças longe da exclusão social, das drogas e das dificuldades financeiras de seus provedores.

Essa área sempre foi propriedade da CEEE, mas a única informação que temos é que a mesma já é propriedade da Prefeitura e está em negociação. Poderia nos dizer aonde nós vamos morar? Por quanto tempo temos ainda a referida área como moradia? Que segurança temos de que não haverá despejo? Como ficarão essas 9 famílias?